" História, o melhor alimento para quem tem fome de conhecimento" PPDias

sábado, 19 de outubro de 2013

Google presta homenagem ao centenário de Vinícius de Moraes.


O centenário do diplomata, poeta e compositor carioca Vinícius de Moraes foi lembrado pela equipe do Google Brasil, que o homenageia com um doodle em sua página inicial neste sábado.

Nascido em 19 de outubro de 1913 na Gávea, Marcus Vinícius da Cruz de Melo Moraes, o Poetinha, foi também compositor, jornalista, teatrólogo e diplomata. Ele morreu em 9 de julho de 1980, em sua casa, no bairro da Gávea, perto do Jardim Botânico, onde nasceu, há 66 anos.

Em comemoração ao centenário, o Google criou desenho de Vinícius tocando violão, tendo como plano de fundo sua cidade-natal, o Rio de Janeiro.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Perfil ideológico do eleitor brasileiro.



Pesquisa do Datafolha tenta demonstrar as proporções de eleitores considerados de Direita ou Esquerda no Brasil. O perfil ideológico dos eleitores entrevistados foi elaborado a partir de um questionário adaptado de pesquisas internacionais do gênero. 



Faça o teste aqui: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/10/1357430-faca-o-teste-do-perfil-ideologico-e-descubra-se-voce-e-de-direita-ou-de-esquerda.shtml


Editoria de Arte/Folhapress

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

A Guerra e Arte III

Guerra e Paz são dois painéis de, aproximadamente, 14 x 10 m cada um produzidos pelo pintor brasileiro Cândido Portinari, entre 1952 e 1956. Os painéis foram encomendados pelo governo brasileiro para presentear a sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, mas antes de partirem, em 1956, foram expostos numa cerimônia no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, que contou com a presença do então Presidente Juscelino Kubitschek.
Com 14 metros de altura por 10 de largura, obra monumental de Portinari foi encomendada pelo Governo Brasileiro como um presente à Sede da Organização das Nações Unidas na década de 1950
Os primeiros estudos para a obra surgiram em 1952, quando Portinari realizava uma outra encomenda, feita pelo Banco da Bahia, com a temática de retratar a chegada da família real portuguesa à Bahia. Com o auxílio de Enrico Bianco e de Maria Luiza Leão, os painéis Guerra e Paz foram pintados a óleo sobre madeira compensada naval. Enquanto um é uma representação da guerra, o outro representa a paz. Por seu trabalho com os painéis, Portinari foi agraciado em 1956 com o prêmio concedido pela Solomon Guggenheim Foundation de Nova York. Naquela ocasião, o crítico de arte Mario Barata publicou a seguinte nota no Diário de Notícias:
"Nunca, na arte moderna do mundo inteiro, um pintor viu as suas obras substituírem-se aos acorde de Wagner e Verdi, à fantasia dos ballets de Chopin, à majestade das orquestras sinfônicas. Pela primeira vez no século XX, o maior teatro de uma cidade transforma-se em templo da pintura" — Mario Barata
Cinquenta e quatro anos depois, em dezembro de 2010, os painéis deixaram a sede da ONU e retornaram ao Brasil para uma restauração que ocorrerá no Palácio Gustavo Capanema, de fevereiro a maio de 2011, em ateliê aberto ao público. Graças aos esforços do Projeto Portinari, do Governo Federal, através do Ministério da Cultura e do Itamaraty, de instituições internacionais e de empresas estatais e privadas, a obra será exposta no Brasil e no exterior até agosto de 2013, enquanto a sede da ONU sofrerá uma grande reforma.
No retorno ao Brasil, contou com uma exibição franca que foi de 22 de dezembro de 2010 até 6 de janeiro de 2011, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. A exposição foi visitada por mais de 40 mil pessoas.6 Do Rio, os painéis seguiram para São Paulo (Memorial da América Latina) e, após, um itinerário que deve passar pelo Grand Palais, em Paris, pelo Memorial da Paz de Hiroshima, no Japão, pelo Auditório Municipal de Oslo, onde ficarão expostos durante a entrega do Prêmio Nobel da Paz, e pelo Museu de Arte Moderna de Nova York.



Um mundo sem professores...



"O ano é de 2063 D.C - ou seja, daqui a cinquenta anos - e uma conversa entre avô e neto tem início a partir da seguinte interpelação: 
– Vovô, por que o mundo está acabando? A calma da pergunta revela a inocência da alma infante. E, no mesmo tom, vem a resposta:
– Porque não existem mais PROFESSORES, meu anjo. 

– Professores? Mas o que é isso? O que fazia um professor? 

O velho responde, então, que professores eram homens e mulheres elegantes e dedicados, que se expressavam sempre de maneira muito culta e que, muitos anos atrás, transmitiam conhecimentos e ensinavam as pessoas a ler, falar, escrever, se comportar, localizar-se no mundo e na história, entre muitas outras coisas. Principalmente, ensinavam as pessoas a pensar. 

– Eles ensinavam tudo isso? Mas eles eram sábios? 

– Sim, ensinavam, mas não eram todos sábios. Apenas alguns, os grandes professores, que ensinavam outros professores, e eram amados pelos alunos. 

– E como foi que eles desapareceram, vovô? 

– Ah, foi tudo parte de um plano secreto e genial, que foi executado aos poucos por alguns vilões da sociedade. O vovô não se lembra direito do que veio primeiro, mas sem dúvida, os políticos ajudaram muito. Eles acabaram com todas as formas de avaliação dos alunos, apenas para mostrar estatísticas de aprovação. 

Assim, sabendo ou não sabendo alguma coisa, os alunos eram aprovados. Isso liquidou o estímulo para o estudo e apenas os alunos mais interessados conseguiam aprender alguma coisa. Depois, muitas famílias estimularam a falta de respeito pelos professores, que passaram a ser vistos como empregados de seus filhos. Estes foram ensinados a dizer “eu estou pagando e você tem que me ensinar”, ou “para que estudar se meu pai não estudou e ganha muito mais do que você” ou ainda “meu pai me dá mais de mesada do que você ganha”. Isso quando não iam os próprios pais gritar com os professores nas escolas. Para isso muito ajudou a multiplicação de escolas particulares, as quais, mais interessadas nas mensalidades que na qualidade do ensino, quando recebiam reclamações dos pais, pressionavam os professores, dizendo que eles não estavam conseguindo “gerenciar a relação com o aluno”. Os professores eram vítimas da violência – física, verbal e moral – que lhes era destinada por pobres e ricos. Viraram saco de pancadas de todo mundo. 

Além disso, qualquer proposta de ensino sério e inovador sempre esbarrava na obsessão dos pais com a aprovação do filho no vestibular, para qualquer faculdade que fosse. “Ah, eu quero saber se isso que vocês estão ensinando vai fazer meu filho passar no vestibular”, diziam os pais nas reuniões com as escolas. E assim, praticamente todo o ensino foi orientado para os alunos passarem no vestibular. Lá se foi toda a aprendizagem de conceitos, as discussões de ideias, tudo, enfim, virou decoração de fórmulas. 

Com a Internet, os trabalhos escolares e as fórmulas ficaram acessíveis a todos e nunca mais ninguém precisou ir à escola para estudar a sério. Em seguida, os professores foram desmoralizados. Seus salários foram gradativamente sendo esquecidos e ninguém mais queria se dedicar à profissão. Quando alguém criticava a qualidade do ensino, sempre vinha algum tonto dizer que a culpa era do professor. 

As pessoas também se tornaram descrentes da educação, pois viam que as pessoas “bem sucedidas” eram políticos e empresários que os financiavam, modelos, jogadores de futebol, artistas de novelas da televisão, sindicalistas – enfim, pessoas sem nenhuma formação ou contribuição real para a sociedade. Ah, mas teve um fator chave nessa história toda. Teve uma época longa chamada ditadura, quando os milicos colocaram os professores na alça de mira e quase acabaram com eles, que foram perseguidos, aposentados, expulsos do país em nome do combate aos subversivos com apoio dos políticos... Foi o tiro de misericórdia nos professores... "

Autoria desconhecida

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Histórias

Uma crônica sobre o professor de História
O professor de História, no seu primeiro dia de aula, entra e os a
lunos nem percebem, conversando, falando ou jogando no celular. Ele escreve na velha lousa um imenso H, e depois vai desenhando cabeças com bigodes e barbas, enxada, foice. A turma foi prestando atenção, trocando risinhos, e agora espera curiosa. Finalmente ele fala:
– Não vamos estudar aquela História com H, só com heróis e grandes eventos! Vamos estudar a partir da nossa história, daonde e como viemos. Por exemplo, como é seu sobrenome?
– Oliveira.
– Pois é, muitos Oliveiras têm esse nome porque eram imigrantes europeus, fugidos de perseguições religiosas, então adotavam nomes de árvores ou plantas, Oliveira, Pereira, Trigueiro e tantos outros. E o seu sobrenome?
Santos.
– Foi o nome adotado por muitos ex-escravos ou filhos mestiços de fazendeiros com escravas. Você é, como diz o IBGE, pardo, o que não é vergonha nem demérito algum, ao contrário, a maioria do povo brasileiro é pardo. E o seu sobrenome?
– Vicentini.
– Origem italiana. Os italianos, como os espanhóis, alemães, japoneses, vieram para cá para bater enxada, trabalhar nos cafezais quando os escravos foram libertados.
O engraçadinho da turma levanta o braço:
– Meu sobrenome é Silva, professor. Tem mais Silva na lista telefônica que formiga em formigueiro. Daonde eu vim?
– Da selva. Silva é selva, em latim. Foi o nome dado pelos romanos antigos aos que vinham das florestas para morar na cidade, eram os “da selva”. Se a gente pensar que a maioria das pessoas morava no campo há meio século, e depois se mudou em massa para as cidades, a origem do nome até se justifica.
A turma espera em silêncio: aonde ele quer chegar?
– Proponho o seguinte. Vocês conversem com seus pais, avós, tios, para saber dos antepassados. Daonde vieram, por que, trabalharam e viveram onde e como. Cada um contará então a história de sua família, e daí vamos situar essa história familiar na história social. Vamos falar da cafeicultura, por exemplo, depois que alguém falar que seu avô trabalhou com café.
Uma mocinha levanta a mão:
– Não só meu avô, professor, minha avó conta que também trabalhava. Levantava às cinco, fazia café, dava de mamar ao nenê, porque ela diz que sempre tinha um nenê no ombro, outro na barriga e uma criança na barra da saia. Depois de fazer o café e tratar das galinhas, recolher os ovos, tirar leite das vacas e cuidar da horta, ela ia levar marmita pro meu avô e os filhos maiores no cafezal, e ficava lá também batendo enxada até o meio da tarde, quando voltava pra preparar e janta e…
– Bem, só com isso que você contou podemos estudar a cafeicultura e o feminismo, comparando as famílias daquele tempo e de hoje, tantas mudanças. Cada um de vocês, com sua história, vai acender o fogo do conhecimento em cada aula. Eu só vou botar lenha, dar as informações, vocês vão dar vida à História, que aí, sim, vai merecer H maiúsculo! Combinado?
Os alunos aplaudem, entusiasmados, comentam: nossa, massa, uau, professor maneiro!… Saem, e depois ele, saindo, dá com o diretor nervoso:
– Eu ouvi sua aula, professor, aqui ao lado da porta, como faço com todo novato! O senhor tire essas ideias da cabeça, viu? Vai ensinar conforme o programa, começando pelo descobrimento, as três caravelas, a calmaria etc. Entendido? Ora, onde já se viu, História viva… Só por cima do meu cadáver!
O professor novato vai pelo corredor, sentindo-se morrer por dentro. Na sala dos professores, nas paredes estão Tiradentes e o crucifixo de Jesus, dois mártires. Ele chora, perguntam por que, apenas consegue dizer “não é nada, é uma longa História”.

domingo, 8 de setembro de 2013

Documentário sobre a história da escravidão africana no Brasil



Brasil - Uma história inconveniente 

Sinopse: Portugal foi responsável pela maior emigração forçada da história da humanidade. De Angola chegou ao Brasil um número 10 vezes superior de escravos comparado à America do Norte. Este documentário, sobre o passado colonial do Brasil, foi realizado em 2000 por Phil Grabsky, para a BBC/History Channel. Ganhou um Gold Remi Award no Houston International Film Festival em 2001. Uma verdade inconveniente da história de Portugal.
Enquanto todo o mundo conhece a história da escravidão nos EUA, poucas pessoas percebem que o Brasil foi, na verdade, o maior participante do comércio de escravos. Quarenta por cento de todos os escravos que sobreviviam à travessia do Atlântico eram destinados ao Brasil, quando apenas 4% iam para os EUA. Chegou uma época em que a metade da população brasileira era de escravos. O Brasil foi o último país a abolir a escravidão, em 1888. O documentário tem depoimentos dos historiadores João José Reis, Cya Teixeira, Marilene Rosa da Silva; do antropologista Peter Fry e outras pessoas que contam os efeitos de séculos de escravidão no Brasil de hoje. Este é um importante documentário sobre a história dos negros, história africana e estudos latino americanos.

Direção: Phil Grabsky
Áudio: Português/Inglês
Legenda: Português
Duração: 00:46:54

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Sítios arqueológicos de Carangola são afetados por obras do mineroduto de Eike Batista.


O novo traçado programado pela empresa Anglo e aprovado pelo Ibama (para o Mineroduto ligado ao 
projeto de instalação do Complexo Portuário do Açu, idealizado pelo empresário Eike Batista) passa por três sítios arqueológicos, conhecidos como Córrego do Maranhão, Toca dos Puris e um recém-descoberto sítio arqueológico que fica no imóvel Fazenda Santa Cruz, no distrito mineiro de Alvorada, todos no município mineiro de Carangola. Segundo o procurador Lucas Moraes, as escavações da Anglo no Córrego do Maranhão já ocasionaram prejuízos irreparáveis aos bens culturais da região. No local, havia uma antiga aldeia Tupi Guarani do ano 400 depois de Cristo, sendo o mais antigo sítio arqueológico dessa natureza na zona da mata mineira, que foi destruído pelas obras da empresa, segundo as investigações do MPF/MG. Pelo crime ambiental, a Anglo foi multada em R$1,2 milhão, que está sendo aplicado na construção do primeiro Centro de Referência em Arqueologia (CRA) no Estado de Minas Gerais.

A Toca dos Purís, que abriga um cemitério indígena do século XVIII, ainda não sofreu a degradação das escavações, assim como o sítio da fazenda Santa Cruz, que começou a ser ocupada pela Anglo na sexta-feira passada ((23). “Na fazenda Santa Cruz, os pesquisadores encontraram restos de cerâmica de origem pré-colombiana, que estão espalhados numa área bastante extensa, que com a trepidação dos maquinários pesados podem ser completamente destruídos”, ressaltou o procurador.

A advogada Carla de Araújo, que representa a família Musse, proprietária do Sítio Santa Cruz, entrou com ação civil no Ministério Público Federal solicitando que as obras da Anglo sejam delimitadas à uma área de 50 metros do sítio arqueológico. As atividade iniciadas no local na semana passada, estão à apenas 25 metros da reserva cultural. “Essa distância não é segura para a preservação do bem recém-descoberto, de acordo com o alerta de arqueólogos que estiveram na fazenda para avaliar a situação. Porém, o IPHAN [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] liberou a mudança proposta da Anglo, diminuindo a distância entre as escavações e o sítio arqueológico”, contou a advogada. Segundo Carla, existe um caminho alternativo na parte detrás da fazenda, que poderia ser utilizada pela empresa. “Isso prova a falta de critério nas atividades da Anglo, que não prisma pela preservação do meio ambiente”, destacou ela.

Reportagem completa: http://migre.me/fWMJb

A Equipe de pesquisadores do MAEA UFJF realizando uma
 Campanha de Escavação Arqueológica
no sítio Córrego do Maranhão situado
 no distrito de Alvorada, município de Carangola MG.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Lançamento de livro: Os bispos católicos e a ditadura militar brasileira a visão da espionagem



"Este livro é um exemplo marcante da verdadeira revolução que a historiografia sobre o regime militar vem experimentando. Com a abertura de documentos outrora sigilosos produzidos entre 1964 e 1985, novas análises trazem à luz dados que possibilitam análises mais precisas daquele período. Esses documentos nos permitem entender como pensavam os agentes da repressão, que montaram uma teia nacional de espionagem com o propósito de inculpar os críticos da ditadura. Em Os bispos católicos e a ditadura militar brasileira: a visão da espionagem, Paulo César Gomes Bezerra mostra como esta comunidade de informações vigiava um setor específico, os bispos católicos que faziam oposição aos desmandos dos governos militares. Além de trabalhar com documentos inéditos e até recentemente secretos, o autor não adere a explicações simplistas e mostra a complexidade dos atores envolvidos, como os chamados “bispos progressistas” (lembremo-nos de que a Igreja apoiou golpe de 1964). Este trabalho aborda questões delicadas, mas o faz de maneira serena e bem fundamentada – como, aliás, sempre ocorre com os livros destinados a permanecer."
Carlos Fico
Professor Titular de História do Brasil da UFRJ

"Pesquisando os arquivos da chamada “comunidade de informações”, garimpados por mão segura e olhar aguçado, dialogando com a melhor literatura sobre o assunto, Paulo César Gomes Bezerra reconstitui esta trama complexa – recoberta e dissimulada por grossas camadas de memória -, apanhada em seus meios-tons e matizes diferenciados, tortuosa e contraditória como a vida.
É o que faz deste livro um trabalho de História"
Daniel Aarão Reis
Professor Titular de História Contemporânea da UFF

domingo, 18 de agosto de 2013

Saindo da rotina...


Cães são transvestidos como personalidades históricas ou do mundo "Pop". Alguns ficaram realmente semelhantes à personalidade "homenageada".

Jornal O GLOBO disponibiliza seu acervo na internet.



O GLOBO lança acervo digital com 88 anos de História



Site possibilita busca por reportagens, recurso inédito em acervos; internauta poderá navegar pelas páginas do jornal desde sua fundação, ver fotogalerias e compartilhar frases históricas com amigos

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/o-globo-lanca-acervo-digital-com-88-anos-de-historia-9596934#ixzz2cJMIoCD2 

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Jaime Pinsky: O pecado original

Pode parecer que há motivos variados e até mesmo conflitantes para as manifestações em todo o Brasil. Errado. Todos os protestos decorrem do indiscutível e inaceitável distanciamento que existe no Brasil entre a nação e o Estado.
A nação, constituída pelos cidadãos concretos, pelas pessoas reais, não reconhece nos poderes constituídos (Executivo, Legislativo e Judiciário) seus representantes. "Nós" somos nós e "eles" são eles.
Expressar-se, como tem se expressado a sociedade, é mais sintomático ainda em se tratando de gente que poucas vezes sai às ruas (todos observamos o deslumbramento de muitos que as frequentavam pela primeira vez).
Mas, como escreveram em seus cartazes Lívia e Ana Paula, desde os primeiros dias, "são 513 anos e 20 centavos". Cabe-nos ler e entender o que elas queriam dizer com isso.
Somos fruto de um pecado original, aquele que criou o Estado brasileiro em 1822 sem que houvesse, de fato, uma nação que o reivindicasse --o contrário do que aconteceu na maioria dos países em que a estrutura jurídico-política surge como decorrência dos anseios de uma nação já constituída (nação aqui definida como o povo com consciência de sua identidade).
Pelo fato de, entre nós, criarmos um Estado com todo seu aparato que não respondia a anseios da população, esta nunca o reconheceu, tratando-o sempre na terceira pessoa do plural.
É verdade que governantes, legisladores e juízes não têm facilitado. Ao assumirem papéis na estrutura jurídico-política, deixam de ser povo e se transformam em "autoridades". Claro que, em qualquer país, há rituais inerentes a funções públicas, mas o exagero entre nós é evidente. Nossos supostos representantes vão muito além de cumprimento de obrigações protocolares: as "autoridades" exigem "respeito" equivalente ao que o Faraó, seus funcionários e sacerdotes exigiam dos súditos.
São automóveis com motoristas à disposição de toda a família, são diárias de viagem superiores ao salário mensal de professores, é o uso de aviões de serviço para conforto pessoal (e até da sogra), é cabeleireiro que cobra cinco salários mínimos por hora de trabalho. Tudo isso às custas dos nossos impostos diretos e indiretos.
Entre nós, ao contrário do que acontece na maioria das democracias, o modo como se exerce o poder distancia os representantes dos representados. Cidadãos brasileiros são percebidos pelos poderosos de plantão (ou os vitalícios, que os há) não como cidadãos, mas como súditos, simples massa de manobra, gente para ser enganada a cada eleição.
Talvez por isso nossos governantes quase não governem: uma vez no poder, dedicam-se a criar as bases de sua permanência (e da corriola, é claro) na função obtida, preparando-se para a próxima eleição. Não querem perder o direito ao uso (e abuso) das vantagens conquistadas. Detestariam voltar a ser apenas parte da nação.
Por outro lado, povo nas ruas pode ser bom, mas substituir a democracia representativa pela direta é inviável em uma sociedade complexa como a nossa. Afinal, não estamos na Grécia clássica, não cabemos todos em uma praça. Precisamos, pois, de representantes. Porém, chegou a hora destes mudarem sua forma de fazer política, criar leis, promover justiça. Temos que melhorar nossa democracia.
Estamos todos de acordo com penas mais severas e sentenças rápidas para os que confundem patrimônio público com o privado. Concordamos também que não tem sentido arrotar prioridade de transporte público e manter um modelo que isenta de impostos os automóveis privados. Não há dúvidas ainda sobre a necessidade de uma ampla reforma política. Mas, antes que o abismo cresça ainda mais, precisamos reaproximar o Estado da nação.
JAIME PINSKY, 74, é historiador e editor, livre- docente pela Universidade de São Paulo, professor titular da Universidade Estadual de Campinas e autor de "Por Que Gostamos de História"

terça-feira, 16 de julho de 2013

Curiosidades sobre a história do papel higiênico.



Alguns objetos são tão presentes em nosso dia a dia que raramente paramos para pensar de onde vieram e por que são como são. Tipo o papel higiênico. Ou será que alguma vez você já se questionou sobre sua origem? Pelo sim ou pelo não, o História Sem Fim traz agora 7 curiosidades sobre o passado desse grande aliado:
1. Antes da invenção do papel higiênico, diversos materiais foram usados com a mesma finalidade: trapos, peles, grama, folhas de coco ou de milho e até alface (?). Na antiguidade, os gregos optavam por pedaços de argila e pedra, enquanto os romanos preferiam esponjas embebidas em água salgada, que eram amarradas a uma vara para facilitar o uso.
2. Os primeiros a criar o papel higiênico semelhante ao que conhecemos hoje foram (adivinhe só?)os chineses! Já no século II a.C. eles inventaram um papel cujo uso principal era o asseio íntimo. Vários séculos mais tarde (por volta do ano de 1500), as folhas de papel higiênico dos chineses mais poderosos chamavam a atenção por sua largura – cerca de 50cmx90cm.
3. Quando o papel higiênico ainda era considerado regalia, ele era exclusivo das camadas mais altas da sociedade. Para você ter uma noção, a realeza francesa utilizava – prepare-se – rendas e sedas para essa função (que, de nobre, não tem nada).
4. Joseph C. Gayetty foi o primeiro a comercializar o papel higiênico, por volta do ano de 1857. Mais tarde, por volta de 1880, os irmãos Scott começaram a vender o papel enrolado da forma que conhecemos hoje. Na época, era considerada uma afronta aos bons costumes que o papel ficasse exposto nos mercados.
5. Em 1944, uma empresa de produtos higiênicos recebeu uma condecoração do governo norte-americano. O motivo do reconhecimento? Foi “o heroico esforço em abastecer as necessidades dos soldados durante a Segunda Guerra Mundial”. Entenda como quiser.
6. Há registros de que o papel higiênico já teve utilidade estratégica em períodos de guerra: na operação Tempestade no Deserto, na Guerra do Golfo, os tanques americanos contrastavam demais com a areia e não havia tempo para pintar os veículos. A “tática de guerra” foi, então, envolver os tanques em papel higiênico como técnica de camuflagem.
7. O papel higiênico, tal como o conhecemos hoje, já existe há 142 anos. Em 1935 foi lançada uma versão que trazia algumas melhoras, sob o slogan “papel livre de bactérias” – o que nos faz pensar sobre a qualidade do que era comercializado anteriormente. A folha dupla surgiu por volta de 1942.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Resumo: Primeira Guerra Mundial



A Primeira Guerra Mundial (1914 - 1918)

Causas do conflito:
A disputa colonial: buscando novos mercados para a venda de seus produtos, matéria-prima e fontes de energias baratas, os países industrializados, especialmente Inglaterra, França, Alemanha e Itália, entravam em choque pela conquista de colônias na África e na Ásia.
Rivalidade Anglo-Germânica: cada um dos grandes países industrializados dificultara a expansão econômica do país concorrente. Essa briga econômica foi especialmente intensa entre Inglaterra e Alemanha.
A disputa nacionalista: em diversas regiões da Europa (especialmente na Península Balcânica) surgiram movimentos nacionalistas que pretendiam agrupar sob um mesmo Estado os povos de raízes culturais semelhantes. O nacionalismo exaltado provocava um desejo de expansão territorial.

Movimentos nacionalistas: os interesses da Alemanha, Rússia e França.
Entre os principais movimentos nacionalistas que se desenvolveram na Europa no início do século XX, podemos destacar os seguintes:
· Pan-eslavismo: buscava a união de todos os povos eslavos da Europa oriental. Era liderado pela Rússia.
· Pangermanismo: buscava a expansão da Alemanha através dos territórios ocupados por povos germânicos da Europa central. Era liderado pela Alemanha.
· Revanchismo francês: visava desforrar a derrota francesa para a Alemanha em 1871 (Guerra Franco-prussiana) e recuperar os territórios da Alsácia-Lorena, cedidos aos alemães.

A situação conflituosa deu origem à chamada paz armada. Como o risco de guerra era bastante grande, as principais potências trataram de estimular a produção de armas e de fortalecer seus exércitos.

Corrida armamentista: Os anos anteriores à eclosão da guerra em 1914 receberam o nome de Paz Armada porque a indústria bélica aumentou consideravelmente os seus recursos, produzindo novas tecnologias para a guerra. Além disso, quase todas as nações europeias adotaram o serviço militar obrigatório, incentivando assim o sentimento nacionalista e militarista.

A política das alianças:
O clima de tensão internacional levou as grandes potências a firmar tratados de alianças com certos países. O objetivo desses tratados era somar forças para enfrentar a potência rival.
A Tríplice Aliança: formada por Alemanha, Império Austro-húngaro e Itália.
A Tríplice Entente: formada por Inglaterra, França e Rússia.


A explosão da guerra mundial

Em 28 de junho de 1914, o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do Império Austro-Húngaro e sua esposa Sofia foram assassinados em Sarajevo, capital da Bósnia por Gavrilo Princip, membro da Jovem Bósnia, grupo terrorista que almejava a unificação da "Terra dos Eslavos do Sul" (Iugoslávia). Tal evento serviu como pretexto para o início da Primeira Guerra Mundial. O assassinato desencadeou uma série de eventos e declarações que acionaram o mecanismo mortal da Política de Alianças.

Principais fases: primeira fase (1914/1915) movimentação de tropas e equilíbrio entre as forças rivais; segunda fase (1915/1917) guerra de trincheiras; terceira fase (1917-1918) entrada dos Estados Unidos, ao lado da França e da Inglaterra, e derrota da Alemanha.

Entrada da Itália – A Itália, membro da Tríplice Aliança, manteve-se neutra até que, em 1915, sob promessa de receber territórios austríacos, entro na guerra ao lado de franceses e ingleses.
Saída da Rússia – Com o triunfo da Revolução Russa de 1917, onde os bolcheviques estabeleceram-se no poder, foi assinado um acordo com a Alemanha para oficializar sua retirada do grande conflito. Este acordo chamou-se Tratado de Brest-Litovsk, que impôs duras condições para a Rússia.
Entrada dos Estados Unidos – Desde o início da guerra, os Estados Unidos mantiveram-se neutros, apesar de abastecerem de alimentos e armas os países da Entente. Ameaçados de ter elevados prejuízos caso a Alemanha vencesse a guerra (empréstimos e dívidas contraídos por Inglaterra e França dificilmente seriam pagos),  e também por medo da Alemanha tornar-se vitoriosa e assim uma potência difícil de ser combatida, os norte-americanos decidiram entrar na guerra, usando como pretexto a afundamento de  navios que transportavam suprimentos para a Inglaterra, mas especialmente o afundamento do navio “Lusitânia”, que conduzia passageiros norte-americanos. A entrada dos Estados Unidos na guerra, com seu imenso potencial industrial e humano, reforçou o bloco dos Aliados e garantiu a vitória da Entente sobre os impérios centrais.
Outro episódio decisivo para a entrada americana foi o telegrama Zimmermann. Tratava-se de uma mensagem em código do secretário do Exterior Arthur Zimmermann ao embaixador alemão no México. Zimmermann queria que o México declarasse guerra aos EUA para pedir os territórios perdidos na guerra mexicano-americana. O telegrama acabou interceptado e decodificado pela inteligência britânica.

Participação do Brasil – Os alemães, diante da superioridade naval da Inglaterra, resolveram empreender uma guerra submarina sem restrições. Na noite de 3 de abril de 1917, o navio brasileiro “Paraná” foi atacado pelos submarinos alemães perto de Barfleur, na França. O Brasil, presidido por Wenceslau Brás, rompeu as relações com Berlim e revogou sua neutralidade na guerra. Novos navios brasileiros foram afundados. No dia 25 de outubro, quando recebeu a noticia do afundamento do navio “Macau”, o Brasil declarou guerra à Alemanha. Enviou auxilio à esquadra inglesa no policiamento do Atlântico e uma missão médica.

Conseqüências da guerra: a) O aparecimento de novas nações; b) Desmembramento do império Austro- Húngaro; c) A hegemonia do militarismo francês, em decorrência do desarmamento alemão; d) A Inglaterra dividiu sua hegemonia marítima com os Estados Unidos; e) O enriquecimento dos Estados Unidos; f) A depreciação do marco alemão, que baixou à milionésima parte do valor, e a baixa do franco e do dólar; g) O surgimento do fascismo na Itália e do Nazismo na Alemanha.

Os "14 Pontos do Presidente Wilson"

Em mensagem enviada ao Congresso americano em 8 de janeiro de 1918, o Presidente Wilson sumariou sua plataforma para a Paz que concebia:
1) "acordos públicos, negociados publicamente", ou seja a abolição da diplomacia secreta; 2) liberdade dos mares; 3) eliminação das barriras econômicas entre as nações; 4) limitação dos armamentos nacionais "ao nível mínimo compatível com a segurança"; 5) ajuste imparcial das pretensões coloniais, tendo em vista os interesses dos povos atingidos por elas; 6) evacuação da Rússia; 7) restauração da independência da Bélgica; 8) restituição da Alsácia e da Lorena à França; 9) reajustamento das fronteiras italianas, "seguindo linhas divisórias de nacionalidade claramente reconhecíveis"; 10) desenvolvimento autônomo dos povos da Áutria-Hungria; 11) restauração da Romênia, da Sérvia e do Montenegro, com acesso ao mar para Sérvia; 12) desenvolvimento autônomo dos povos da Turquia, sendo os estreitos que ligam o Mar Negro ao Mediterrâneo "abertos permanentemente"; 13) uma Polônia independente, "habitada por populações indiscutivelmente polonesas" e com acesso para o mar; e 14) uma Liga das Nações, órgão internacional que evitaria novos conflitos atuando como árbitro nas contendas entre os países.

Os "14 pontos" não previam nenhuma séria sanção para com os derrotados, abraçando a idéia de uma Paz "sem vencedores nem vencidos". No terreno prático, poucas propostas de Wilson foram aplicadas, pois o desejo de uma "vendetta" por parte da Inglaterra e principalmente da França prevaleceram sobre as intenções americanas.

O Tratado de Versalhes: conjunto de decisões tomadas no palácio de Versalhes no período de 1919 a 1920. As nações vencedoras da guerra, lideradas por Estados Unidos, França e Inglaterra, impuseram duras condições à Alemanha derrotada. O desejo dos alemães de superar as condições humilhantes desse tratado desempenhou papel importante entre as causas da Segunda Guerra Mundial:
- Restituir as regiões da Alsácia-Lorena à França.
- Ceder outras regiões à Bélgica, à Tchecoslováquia, à Dinamarca e à Polônia (corredor polonês).
- Ceder todas as colônias aos países vitoriosos.
- Entregar quase todos seu navios mercantes à França, à Inglaterra e à Bélgica.
- Pagar uma enorme indenização em dinheiro aos paises vencedores.
- Reduzir o poderio militar de seus exércitos limitados a 100 mil voluntários.
- Foi proibida de possuir aviação militar, submarinos, artilharia pesada e tanques, e o recrutamento militar foi proibido.
- A província do Sarre (rica em carvão) passaria para o controle da Liga das Nações por 15 anos
- Reconhecer a independência da Áustria e da Polônia.
- Considerada a grande culpada pela guerra.

A formação da Liga das Nações: em 28 de abril de 1919, a Conferência de Pás de Versalhes aprovou a criação da Liga das Nações, com a missão de agir como mediadora nos casos de conflito internacional, preservando a paz mundial. Entretanto, sem a participação de países importantes como os Estados Unidos, União Soviética e Alemanha, a liga revelou-se um organismo impotente.

A ascensão econômica dos Estados Unidos no pós-guerra: os Estados unidos alcançaram significativo desenvolvimento econômico através da exportação de produtos industrializados. A Europa tornou-se dependente dos produtos americanos.


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Livro " A Origem das espécies" de Charles Darwin na visão do cartunista Fernando Gonsales.

Esta é uma versão bem-humorada  do livro "A Origem das Espécies", de Charles Darwin (1809-1882), criador da teoria da seleção natural, elaborada pelo cartunista brasileiro Fernando Gonsales. Nos quadrinhos, alguns animais conversam com o cientista, questionando as suas ideias. 









sexta-feira, 31 de maio de 2013

Encontro Nacional de Pesquisadores do Ensino de História


O Encontro Nacional de Pesquisadores do Ensino de História ENPEH configura-se como uma reunião científica que objetiva tanto estabelecer e solidificar a pesquisa em Ensino da História nas pós-graduações em Educação e em História no Brasil, como fortalecer e ampliar nacional e internacionalmente o espaço de interlocução entre os pesquisadores dessa área.
O X ENPEH elegeu como temática do evento o âmbito de “Políticas e Práticas do Ensino de História”. O objetivo principal desta edição é manter e fomentar a pesquisa na articulação com as políticas e práticas do Ensino de História no Brasil. Destina-se a pesquisadores, professores, alunos de pós-graduação e estudantes que possuem o tema como seu objeto de pesquisa.
Local: Universidade Federal de Sergipe - são Cristovão/SE

sábado, 25 de maio de 2013

Entrevista com o escritor carangolense Paulo Mercadante (1923-2013)



PAULO MERCADANTE

1. Nascido em Carangola, Minas Gerais, em 23-06-1923, filho de Xenofonte Mercadante e de Adélia de Freitas Mercadante, nascida Garcia de Freitas. De família de humanistas e músicos da Itália meridional, (da qual fez parte o compositor Savério Mercadante), o primeiro, nascido em Campos, RJ, era advogado, tendo integrado em 1946, a bancada do Partido Social Democrático na Constituinte mineira; a segunda, natural de Leopoldina, MG, era filha de imigrante português.

2. Cursou Paulo Mercadante humanidades na cidade natal, fundando, em 1937, com colegas do Ginásio, um jornal semanal - O Ariel. Também foi membro do grupo engajado à esquerda, então na ilegalidade em razão do movimento insurrecional de 1935. Após o serviço militar, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde, feitos os preparatórios, prestou exame vestibular à Faculdade de Direito do Rio de Janeiro. Foi, de 1945 a 1946, Presidente do Centro Acadêmico Luís Carpenter, delegado junto ao Congresso da UNE, participando ativamente dos movimentos universitários pela anistia, convocação de Constituinte e pela abertura democrática.

3. Admitido no Ministério da Aeronáutica, por concurso, como tradutor de inglês e alemão, foi incorporado, após convocação do Exército, aos serviços de guerra, permanecendo na base aérea do Galeão, como intérprete e tradutor, onde também desempenhou na Fábrica de Aviões atividades técnicas ligadas à conversão de tecnologia de aviação alemã à norte-americana. Seria mais tarde condecorado pelo Ministério da Aeronáutica por destacados serviços prestados ao País.
4. Licenciado, dedicou-se após o final do conflito, ao magistério, lecionando até 1951, várias disciplinas, inclusivamente Filosofia. Dois anos mais tarde casou-se com Ana Elisa Viana Mercadante, nascida Lichtenfels Viana, médica psicanalista, vindo a ter o casal dois filhos e uma filha.

5. Entregou-se no Rio de Janeiro à atividade profissional de advogado nos ramos civil e comercial. Retomou as pesquisas, iniciadas em sua puberdade, sobre a Mata Mineira, a comunidade natal e a região fluminense, percorrendo-as todas. Os resultados traduziram-se em dois livros e um ensaio, este último servindo de Introdução às Fazendas Fluminenses de Café, editada pela Nova Fronteira.

6. Nos anos sessenta tomou parte em diversos grupos de estudos, visando ao aperfeiçoamento de sua base científica, publicando, ainda, em colaboração com Antônio Paim, em edição oficial do Ministério da Educação e do Instituto Nacional do Livro, os Estudos de Filosofia, de Tobias Barreto. Em 1990 viam ambos realizados os seus objetivos, graças à colaboração de Luiz Antônio Barreto, com a publicação em dez volumes, em edição do Ministério da Cultura e do Governo de Sergipe, das obras completas do pensador Tobias Barreto. Ingressando no Instituto Brasileiro de Filosofia, dá início a sua colaboração na Revista Brasileira de Filosofia. Também publica em 1965 o seu livro mais conhecido - A Consciência Conservadora no Brasil - sobre a formação histórica nacional.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

sábado, 18 de maio de 2013

Um pouco de reflexão histórica...

“A destruição do passado, ou melhor, dos mecanismos que vinculam nossa experiência pessoal à das gerações passadas, é um dos fenômenos mais característicos e lúgubres do final do século XX. Quase todos os jovens de hoje crescem numa espécie de presente contínuo, sem qualquer relação orgânica com o passado público da época em que vivem. Por isso, os historiadores, cujo ofício é lembrar o que os outros esquecem, tornam-se mais importantes que nunca no fim do segundo milênio.”

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991)

terça-feira, 7 de maio de 2013

Lançamento do livro "Zona da Mata Mineira: Escravos, Família e Liberdade"


No dia 14 de Maio de 2013 (terça-feira), será lançado em Carangola o livro: "Zona da Mata Mineira: Escravos, Família e Liberdade" dos professores organizadores Dr. Jorge Prata e Dr. Rômulo Andrade.
Na oportunidade, estarão presentes o organizador Prof. Dr. Jorge Prata (Doutor pela USP) e um dos colaboradores da edição e o Prof. Dr. Jonis Freire (Doutor pela Unicamp).
Além do lançamento, os professores farão uma palestra sobre importância da pesquisa histórica em nossa região.
O evento acontecerá no salão Jayro Mota Hosken, do Museu Municipal de Carangola, na terça-feira, dia 14/05, às 19 horas com entrada gratuita.
A coordenação do lançamento do livro ficará a cargo do professor Randolpho Radsack.
Contamos com a presença de todos.


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Um drinque histórico.



Imagine um bar onde você possa tomar uma bebida acompanhado de personagens históricos como Napoleão Bonaparte, Jesus Cristo, Ghandi, Confúcio, Freud, Nero, Darwin e outros mais que podem proporcionar algumas discussões calorosas regadas a um drinque e apimentada com humor, o canal The History Channel também imaginou e nos proporcionou estes encontros.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

História e Cinema: Primeira Guerra Mundial




Uma pequena relação de filmes (nunca definitiva) sobre a Primeira Guerra Mundial (1914-1918).



A Batalha de Passchendaele (2008) -  Ambientado no ápice da Primeira Guerra Mundial, Passchendaele conta a história do Sargento Michael Dunne (Paul Gross), um soldado brutalmente ferido na França, que retorna para Calgary emocionalmente e fisicamente traumatizado. No hospital militar em Calgary, ele conhece Sarah (Caroline Dhavernas), uma misteriosa e atraente enfermeira pela qual se apaixona. Quando David (Joe Dinicol), o irmão mais novo e asmático de Sarah, se alista para lutar na Europa, Michael sente-se obrigado a voltar para lá e protegê-lo. Michael e David, como milhares de canadenses, são enviados para a terceira batalha de Ypres, uma batalha contra obstáculos impossíveis, comumente conhecidas por "Passchendaele". Esta é uma história de paixão, coragem e dedicação, mostrando o heroísmo daqueles que lutaram na guerra e de todos os que os amaram.




O Barão Vermelho (2008)Primeira Guerra Mundial. O jovem aristocrata Barão Manfred von Richthofen (Matthias Schweighöfer) é convocado pela força aérea alemã. Seus combates, seu avião vermelho e suas inúmeras conquistas ao lado do esquadrão 'Circo Voador' o tornaram um herói da nação. Manipulado pelo alto comando e distraído pela fama, ele não enxergava a verdadeira face da guerra. Quando Manfred é ferido e presencia os horrores das batalhas em um hospital, ele passa a perceber o efeito devastador de uma guerra. Apesar da desilusão, Manfred sabe que ele não pode parar de voar e, mesmo para o mais destemido dos homens, cada nova missão pode ser a última. Um filme com incríveis cenas de combate, que conta a história do maior piloto de todos os tempos.

Flyboys (2006) -  1916, dois anos após o início da 1ª Guerra Mundial. Milhões de pessoas já morreram e as forças aliadas, compostas por França e Inglaterra, seguem em uma luta inativa nas trincheiras contra as tropas alemãs. Os Estados Unidos seguem sua posição de neutralidade, o que não impede que alguns americanos partam para a Europa para ajudar como motoristas voluntários de ambulância ou integrantes da Legião Estrangeira da França. Um deles é Blaine Rawlings (James Franco), um texano que foi expulso do rancho de sua família e que idealiza uma vida de herói pilotando aviões. Ele logo se une a Higgins (Christien Anholt), um recruta da Legião Estrangeira que é transferido; William Jensen (Philip Winchester), que se alistou para seguir a tradição da família; Briggs Lowry (Tyler Labine), que se alistou devido à pressão do pai; Eddie Beagle (David Ellison), que deseja fugir de seu passado; Eugene Skinner (Abdul Salis), que deseja defender a França devido ao país ter sido tolerante ao permitir que se tornasse campeão de boxe; e Reed Cassidy (Martin Henderson), um piloto de guerra veterano. Sob o comando do capitão Georges Thenault (Jean Reno), os pilotos franceses realizam um rigoroso treinamento com os americanos, de forma que eles possam integrar a Esquadrilha Lafayette, o 1º esquadrão de pilotos americanos a lutar na 1ª Guerra Mundial.


Cavalo de Guerra (2012) - Ted Narracot (Peter Mullan) é um camponês destemido e ex-herói de guerra. Com problemas de saúde e bebedeiras, batalha junto com a esposa Rose (Emily Watson) e o filho Albert (Jeremy Irvine) para sobreviver numa fazenda alugada, propriedade de um milionário sem escrúpulos (David Tewlis). Cansado da arrogância do senhorio, decide enfrentá-lo em um leilão e acaba comprando um cavalo inadequado para os serviços de aragem nas suas terras. O que ele não sabia era que seu filho estabeleceria com o animal um conexão jamais imaginada. Batizado de Joey pelo jovem, os dois começam seus treinamentos e desenvolvem aptidões, mas a 1ª Guerra Mundial chegou e a cavalaria britânica o leva embora, sem que Albert possa se alistar por não ter idade suficiente. Já nos campos de batalha e durante anos, Joey mostra toda a sua força e determinação, passando por diversas situações de perigo e donos diferentes, mas o destino reservava para ele um final surpreendente.


Glória feita de sangue (1957) Em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, Mireau (George Meeker), um general francês, ordena um ataque suicida e como nem todos os seus soldados puderam se lançar ao ataque ele exige que sua artilharia ataque as próprias trincheiras. Mas não é obedecido neste pedido absurdo, então resolve pedir o julgamento e a execução de todo o regimento por se comportar covardemente no campo de batalha e assim justificar o fracasso de sua estratégia militar. Depois concorda que sejam cem soldados e finalmente é decido que três soldados serão escolhidos para servirem de exemplo, mas o coronel Dax (Kirk Douglas) não concorda e decide interceder de todas as formas para tentar suspender esta insana decisão.

Nada de novo no front  (1930)Sete estudantes patriotas alemães apresentam-se como voluntários para o serviço militar em plena Primeira Guerra Mundial. Baseado no conto homônimo de Erich Maria Remarque, "Sem Novidade No Front" é um grande filme pacifista, que mostra a loucura e futilidade da guerra. As cenas de guerra nas trincheiras são retratadas de forma brilhante e dolorosa. Mesmo muitos anos após o seu lançamento, continua sendo um tema atual e dominante nos países que sofreram e sofrem com a guerra. Vencedor dos Oscars de Melhor Filme e Melhor Diretor. Considerado o maior filme anti-guerra de todos os tempos.



Lawrence da Arábia (1962) - O argumento do filme baseia-se na biografia de T.E. Lawrence (1888-1935) descrita no seu livro Sete Pilares da Sabedoria. O filme explora a excentricidade e a personalidade enigmática de Lawrence.

Em 1916, em plena I Guerra Mundial, o jovem tenente do exército britânico estacionado no Cairo pede transferência para a península arábica, onde vem a ser oficial de ligação entre os rebeldes árabes e o exercito britânico, aliados contra os turcos, que desejavam anexar ao seu Império Otomano a península arábica. Lawrence, admirador confesso do deserto e do estilo de vida beduíno, oferece-se para ajudar os árabes a se libertarem dos turcos.

O filme mostra quatro episódios principais da vida de Lawrence durante a sua estada na Arábia: a conquista de Aqaba; o seu rapto e tortura pelos turcos em Deraa; o massacre de Tafas; e o fim do sonho árabe de Damasco.



Gallipoli (1981) Archie Hamilton é uma das maiores promessas das pistas de corrida da Austrália. Durante uma competição ele faz amizade com Frank Dunne. Unidos pelo idealismo, os dois se alistam no exército, em 1915, sem ter a mínima noção do horror que enfrentariam na luta contra os turcos, na trágica e lendária batalha de Gallipoli, durante a Primeira Guerra Mundial.







Terreno proibido (2013)Terreno Proibido é a incrível história de um trio de soldados na Primeira Guerra Mundial, surpreendidos em uma explosão, que ficam encurralados entre duas trincheiras. Desesperados para chegar à segurança das trincheiras inglesas, os homens precisam atravessar um lamaçal e enfrentar um bombardeio de granadas, gás, rajada de metralhadoras e artilharia pesada, à medida que os alemães rapidamente se aproximam de sua localização. Com autenticidade e impressionantes efeitos, este filme mostra a guerra como jamais vista.




Feliz Natal (2006)Natal de 1914, em plena 1ª Guerra Mundial. A neve e presentes da família e do exército ocupam as trincheiras francesas, escocesas e alemãs, envolvidas no conflito. Durante a noite os soldados saem de suas trincheiras e deixam seus rifles de lado, para apertar as mãos do inimigo e confraternizar o Natal. É o suficiente para mudar a vida de um padre anglicano, um tenente francês, um grande tenor alemão e sua companheira, uma soprano.




Johnny vai à guerra (1971)Joe, um jovem soldado americano, é atingido por um morteiro no último dia da Primeira Guerra Mundial. Ele repousa em uma cama de hospital em uma situação pior que a morte - ele teve seus braços e pernas amputados, ficou cego, não tem mais boca nem nariz. Apesar de tudo, ele continua consciente, mas não consegue parar de sonhar e rever suas memórias, sem conseguir identificar se está dormindo ou está acordado. Frustrado com sua situação, ele tenta exaustivamente se comunicar com a equipe do hospital.



Crepúsculo das Águias (1966)Jovem plebeu ao entra na força aérea alemã durante a Primeira Guerra Mundial, luta para se torna um grande ás e recebe a tão desejada condecoração: "A Pour Le Meritè", e conseguindo a admiração de seus superiores e a inveja de seu pelotão, se torna um herói nacional, mas quando se envolve com a mulher de seu general, sua fama poderá trazer a sua ruína. Com grande cenas de Ação esse é sem duvida uma das maiores produções sobre a Grande Guerra. 







O último Batalhão (2001) - É uma história verídica do feito de uma companhia de guerra norte-americana, na sua maioria composta de imigrantes irlandeses, italianos, poloneses, todos de Nova York, liderados pelo Major Charles Whittlesey, um civil convocado para a guerra.Cercados pelas tropas inimigas, ao batalhão foram dadas 2 opções pelo exército alemão: Rendição ou Morte. O batalhão escolheu uma terceira inimaginável!

Veja também:

Related Posts with Thumbnails