" História, o melhor alimento para quem tem fome de conhecimento" PPDias

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

DOS ALUNOS E SUAS “TEMPERATURAS”

 Se fôssemos classificar os alunos conforme as suas diferentes temperaturas, poderíamos dividi-los em três grupos: os alunos quentes, os frios e os mornos.
          
Os alunos quentes são aqueles alunos brilhantes, que passam pela escola e deixam também que a escola passe por eles. Eles não são aprovados apenas porque têm boas notas no boletim, mas, também, porque têm bons conhecimentos na cabeça. O diploma deles é verdadeiro (é preciso esclarecer aqui que, hoje em dia, diplomas podem estar também nas mãos de pessoas semianalfabetas, já que modernamente foram criadas outras maneiras de se conseguir diplomas sem ser, necessariamente, por meio do estudo). Os alunos quentes são precisamente aqueles que estudam de verdade. Mas, diga-se de passagem, eles também sabem descontrair na hora certa e do jeito certo. Sabem dizer algo que provoque risos na turma de modo que até o professor ri, pois seu senso de humor é inteligente e suas piadas ocorrem com naturalidade e de modo oportuno, encaixando-se na aula sem perturbá-la. Quando os alunos quentes vão embora da escola, deixam um vazio enorme. Ficam as saudades e as lembranças boas. Eles jamais são esquecidos! Tornam-se orgulho para os professores, elevam o nome da escola por onde passam e ficam para a posteridade como modelos a serem seguidos.
          
Os alunos frios são aqueles que passam pela escola recusando que a escola passe por eles. Eles querem a nota alta no boletim, mas não fazem questão do conhecimento na cabeça. Falam muito. Interrompem o professor várias vezes enquanto este explica uma matéria, mas nunca os vemos fazer uma pergunta ou um comentário sério, que acrescente algo de útil à aula ou ao seu próprio esclarecimento enquanto estudantes. Seu objetivo toda vez que erguem a voz é apenas o de provocar risos na turma. Com esse comportamento, o que eles querem é profanar o lugar sagrado da educação, é desdenhar do que o professor apresenta como algo sério. Cada um deles está, no fundo, de modo subliminar, dizendo: “Veja, professor, como eu não estou nem aí para você nem para o que você está ensinando!” Os alunos frios também são lembrados depois que vão embora da escola. Mas é uma lembrança de pesar. Não são orgulhos para os professores, não servem como modelos a serem seguidos e denigrem o nome da escola onde deixaram suas pegadas.
          
Os alunos mornos são aqueles que ficam quietos no canto deles. Não mexem com ninguém. Não se expressam. Seu olhar não é mais que um vôo rasante que, de vez em quando, passa pela sala. O professor vara o ano quase sem saber como é a voz deles. Eles possuem potenciais a serem explorados, mas, por algum motivo, os mantêm escondidos, bloqueados. Acompanham bem as aulas, tiram boas notas. Mas pecam pela inexpressividade, pela extrema falta de comunicação. Enfim, por um constante isolamento afetivo. Os alunos mornos não são lembrados depois que saem da escola, pois eles não deixam uma marca. Eles não têm a marca brilhante dos alunos quentes, nem a marca cinzenta dos alunos frios. São, portanto, esquecidos. Aos alunos mornos, por quem tenho especial carinho, dirijo um conselho: Lembrem-se do enigma da esfinge: “Preserva-te, e serás esquecido. Expõe-te, e serás devorado!” Você, aluno morno, é o tipo de aluno que se preserva demais em seu próprio mundinho e, por isso, é esquecido. Proponho que você faça a outra parte do que diz o enigma da esfinge: expõe-te! Expor-se, neste caso, significa comunicar-se mais, fazer o seu marketing pessoal diante do professor, significa mostrar seus potenciais, mostrar ao mundo quem você é do que você é capaz. Assim, então, você será devorado. Isto é, todos vão querê-lo, desejá-lo, solicitá-lo. Você será lembrado! Se você ficar excessivamente calado, confabulando só com os seus próprios neurônios, ninguém poderá adivinhar os potenciais que você possui e nem as pessoas terão motivos para acreditar que você seja uma pessoa maravilhosa. Isso porque o mundo classifica-o segundo a sua temperatura. E você está se mostrando morno aos olhos do mundo.
          
Neste ano de 2012, desejo ter muitos alunos quentes.
          
Desejo que os mornos aceitem o desafio de se aquecerem um pouco mais.
          
E quanto aos frios, quando quiserem dizer-me algo que não seja uma piada, só então estarei aqui para ouvi-los, pois, por enquanto, estou dignamente ocupado com os alunos quentes e os mornos e, por isso, não tenho tempo a perder. 

 




Este artigo pode ser copiado, distribuído, postado em sites e blogs, desde que se cite a fonte e deixe o link para que outros leitores acessem.
Autor: José Fernandes, publicado originalmente no sitehttp://www.escritorjosefernandes.com, em 20 de novembro de 2011. 


Este artigo está liberado para uso, no todo ou em parte, desde que seja citada a fonte: Artigo publicado originalmente no site www.portalesperafeliz.com.br , em 10 de fevereiro de 2012.

2 comentários:

  1. Adorei essa história. Vai ser bastante hutil

    ResponderExcluir
  2. Adorei essa história. Vai ser bastante hutil

    ResponderExcluir

Veja também:

Related Posts with Thumbnails